4.21.2009

O que o twitter tirou

enquanto andamos todos felizes com as novas formas de comunicar, enquanto a informação voa à velocidade dos megas ADSL ou da fibra óptica, eis que descobrimos coisas que essa velocidade nos pode tirar.
O twitter tirou o autismo da AR.
Maravilhoso, uma ferramenta de interacção social que é finalmente utilizada para o bem (tirar palavras não politicamente correctas do nosso discurso) e não para o costumeiro mal (pessoas na conversa de café enquanto deviam estar a produzir trabalho). Parece-me pouco, porém. É certo que a palavra autista foi retirada dos insultos entre pares na AR, tenho pena das crianças autistas e acho que não precisam de ser comparadas a políticos, já basta o que basta.
Mas também tenho pena das crianças com dificuldades de visão, por isso exijo que retirem o termo cego e ver mal do discurso parlamentar. Tenho pena das crianças com atraso e portanto não posso achar bem que se permita a utilização da palavra atrasado no parlamento. Lamento pelas crianças com peso a mais e não admito que usem grosserias como gordo na nossa Assembleia. Aliás mais prático ainda era publicar um manual de palavras permitidas para deputados, limitados a duas ou três frases por cada tema fariam o mesmo efeito mas com menos desgaste oratório.

2 comments:

num relance said...

YES! belo!
diziam muito menos parvoíces!

sem-se-ver said...

concordo em absoluto com a ironia deste seu post.

pessoas com extremo bom gosto