10.19.2009

too litlle too late



Dita e Scarlett

quando somos novos inexperientes ingénuos inocentes ou seja lá o que for, achamos sempre que aquela vez há-de ser a única última maior desesperada para sempre.
depois crescemos e descobrimos que atrás de uma vem outra. e depois outra. isto parece fixe e dá-nos um aspecto muito moderno, sempre cool e sem grandes dramas.
mas, make no mistake, o que nós gostávamos mesmo era de ainda ter capacidade de acreditar que aquela havia de ser a única última maior desesperada para sempre vez.

6 comments:

Martim said...

Dita speaking?

Clara said...

indeed.

Espiral said...

Acho que ainda sou nova, inexperiente, ingénua e inocente... porque acredito na única última maior (sim, não acredito na desesperada).

Nunca achei que "experiências" só por si valessem algo e fizessem de mim mais cool ou moderna. Valorizo mais a qualidade... em algumas coisas preferia ter menos experiência. Teria menos lucidez... e como a menor lucidez é tão necessária para achar que "aquela havia de ser a única última, maior..."

Clara said...

se acredita na única última maior vez, como pode ela n ser desesperada? é única.

Espiral said...

Trate-me por tu =)

Hum.. eu não acredito que tenha todas as oportunidades do mundo. Acredito que as oportunidades se esgotam e temos que lutar por elas. Sejam elas o número que forem. Pode ser um, ou 3, ou 5 oportunidades.

Mas com desespero... vejo sempre só a conotação negativa. Prefiro pensar determinação. Em determinação porque é a última e única.

Beijo*

Clara said...

então, se se esgotam, aquela poderá ser sempre a última. não se torna por isso desesperada? e se não houver nenhuma a seguir?- o que não temos maneira de saber mas é uma hipótese tão válida como contrária.

ao escrever isto apercebo-me que se calhar sou eu que acredito nas hipóteses infinitas. como não? [e se forem infinitas com a mesma pessoa? e se forem de facto infinitas com imensas pessoas?]

pessoas com extremo bom gosto