5.31.2007

Dos blogs

Aqui há uns anos (como foi? Já sei, foi lendo o Dee's diary) descobri os blogs.
Depois abri o meu blog, sempre com vários avisos de "não te metas nisso, isso da Internet é um perigo" e mais não sei quê. Claro que a voz que me avisava tinha experiência no assunto, mas não propriamente em blogs. Anos atrás, tinha sido ele a descobrir o maravilhoso mundo do irc e a entender os seus propósitos alargados quando deixou de discutir política com cubanos e se transformou numa lésbica virtual. Enviava pics de mulheres em poses pornográficas como sendo suas, pics que lhe íam enviando, para outras mulheres, numa espécie de roda infernal. Parece-me provável que do outro lado fizessem a mesma coisa e não passassem de homens com demasiado tempo nas mãos trocando fotos scanadas de revistas da especialidade (eu pelo menos gosto de imaginar que sim).
A coisa acabou no dia em que ele descobriu um dos melhores amigos dele em poses menos católicas a tentar engatá-lo, aliás ao seu alter-ego feminino. A coisa enojou-o de tal forma que nunca mais conseguiu olhar para qualquer forma de interacção virtual sem lhe vir um vómito ao estômago.
Como tinha conhecimento da história por completo, desvalorizei os avisos, tendo no entanto alguns cuidados. À medida que fui conhecendo melhor esse mundo, mais cuidados passei a ter. Aqui como na vida estamos sujeitos a ataques sim. Por muito cuidadosos que sejamos na escolha das palavras, no ocultar da identidade, no dissimular de pontos de referência que nos identifiquem. Tenho alguns amigos, pessoas que conheci aqui, por isso para mim o risco já foi compensado. Mas tenho sempre presente que há cobardes que, ocultando-se sob capas anónimas, descarregam aqui as frustrações que não sabem ultrapassar na vida real. E mais uma vez discordo desse ditado que diz sticks and stones can break my bones but words cannot hurt me. Algumas palavras magoam sim, revestem-nos de medos, roubam-nos momentos, tornam-nos mais frágeis.
Enoja-me particularmente quando isso acontece com amigas minhas, é quase como se se tivesse passado comigo. E por aqui não se pode (infelizmente) mandar umas boas estaladas.

11 comments:

Anonymous said...

Pura verdade!

É exactamente isso que me assusta...até que ponto pode ir um embuste. Aconteceu-me há uns bons anos atrás na época dos chats (ainda assim só virtualmente).

É exactamente isso que me faz ter medo quanto à utilização que os meus filhos vão dar à net.

Todo o cuidado é pouco...

Bjs
Rakel

catarina campos said...

Yep. Acontece.
Beijos minha querida.

Cool Mum said...

Mas dao-se bofetadas de luva branca...

Varanda said...

got ya

Margarida Atheling said...

As palavras podem magoar muito mais do que qualquer outra coisa!

Por acaso eu também faço um balnaço positivo desta coisa dos blogs. Há amizades que nasceram assim que não têm preço! :))

Bjs!

Rita said...

A mim também me enjoa. Muito.

patrícia said...

as palavras magoam sim, mas não vinda de anônimos maldosos que a única coisa que querem é atenção.

Papoila said...

Sim, estou com a Patrícia, palavras absurdas vindas de anónimos? Pffff, não valem um chavo!
Eu por enquanto não tenho uma única razão de queixa do mundo dos blogs.

florbola said...

É engraçado, eu não tenho blog e provavelmente nunca irei ter, mas quando vejo comentários desagradáveis de anónimos fico muito incomodada, imagino o que isso deve fazer ao proprietário do blog!!!

Ainda me lembro do IRC.. he he.. a internet pagava-se à hora e eu ouvia cada raspanete do meu pai!!! LOL !!!
Mas acho que agora a internet está muito mais perigosa. Penso que as pessoas se expõem de mais.. ( vi uma reportagem na sic sobre isso.) colocam fotos, descrevem locais, nomes etc.. É como tudo, há que fazer as coisas com peso e medida.

Beijinho ; )

Clara said...

florbola, por aquilo que postei, por acaso acho que agora é que se expõem menos, na altura a falta de cuidado era mais que muita, as pessoas não tinham noção.

AA said...

isso da Internet é um perigo

hehehe

pessoas com extremo bom gosto