12.14.2007

Do Natal II

Talvez pareça muito presumido da minha parte dizer que não gosto do Natal. Na verdade eu não tenho nada contra o Natal. É uma festa, há jantares aos molhos, pessoas que vêm de fora, tradições a cumprir. Nada tenho contra isto, acho maravilhoso. O que não acho grande coisa é aquilo que fizeram do Natal. Vejamos, trata-se do nascimento de Cristo que estamos a celebrar, alguém no meio das luzes a piscar, dos supermercados apinhados, do trânsito infernal, dos anúncios a brinquedos non-stop se lembra disso?
Bem sei que nem todas as pessoas são católicas. O que celebram então? O pai natal da coca-cola? O subsídio de natal? As iluminações das ruas?
Há uma série de tradições que se misturam caoticamente, não faço ideia do que seja para uma criança a época do advento. Ou por outra, sei. São chocolates para sacar de um calendário, catálogos de presentes potenciais, roupa desconfortável obrigatoriamente vestida na véspera, jantar à pressa a olhar para o relógio à espera da meia-noite.
O que seria do Natal se não existisse o subsídio de natal? Existiria espírito algum? Certamente não existiriam luzes nas ruas (a coisa é supostamente paga pelos comerciantes que deixariam de ter o retorno), seria mais triste?
Eu gosto do Natal, dispenso é toda a obsessão com compras que inunda a época.

1 comment:

Mãe da malta said...

Cá em casa não se recebem subsidios de natal, e ha presentes, e jantares e festa e tudo. Talvez um bocadinho menos à farta do que se o recebessemos, é certo.

pessoas com extremo bom gosto