5.20.2008

De aniversários

de blogs.
Não imagino a Cat há 5 anos. Não será isso de admirar, hoje ao reler-me num blog que mantive uns meros 6 meses não me imagino a mim nessa altura, há 2 anos. Não faço ideia do que pensava, o que imaginava, com o que sonhava (se é que sonhava), se tinha preocupações e quais eram. E também não é lendo esse blog que descubro, à semelhança de um álbum de recordações guarda apenas uns momentos esparsos e superficiais daquilo que era a minha vida nessa altura.
E depois penso que tem de ser mesmo assim, que se recordarmos com exactidão todos os momentos ficaremos presos neles, estacados nos maus, sem querer largar os bons.

8 comments:

Anonymous said...

Engraçado, porque muitas vezes rememoriamos e, então, pensamos que dantes é que era!!!!!

JBP

Clara said...

Mas só conseguimos fazê-lo porque não nos recordamos com exactidão das coisas, porque o tempo entretanto confere às nossas memórias contornos esbatidos, muito mais baseados na nossa imaginação do que na realidade (a história das memórias de infância falsas que praticamente toda a gente tem).

Anonymous said...

Seria horrivel se fossemos desprovidos da capacidade de esquecer, que, tanto quanto sei, é inerente à dimensão não só humana, mas também à animal; só que podem persistir sequelas, e estas.....

JBP

Clara said...

Bom mesmo bom era se pudessemos moldar as memórias a nosso gosto, apagar as menos boas, inventar umas novas, lembrar com perfeição as muito boas ;)

jbettpinto said...

Há quem o faça, e se sinta mal na mesma; julgo que a escolha deve passar por entendimento que tenha em conta que: "se a vida é dura, mais forte é a razão que a sustém"

JBP

catarina campos said...

Olha, ia-te responder em post (e talvez ainda o faça), mas entretanto digo-te que 1. sou a mesma pessoa mas 2. não sei quem era aquela que escreveu tudo aquilo. Portanto não é a ler o que escrevemos que descobrimos quem fomos, éramos, somos. Digo eu e tenho a certeza que percebes.
beijos, minha querida

catarina campos said...

Quanto às boas e más memórias, não, não se editam e se reinventam. Mas relativizam-se e acabamos por só seleccionar as boas; as más esbatem-se no tempo. Isto, a pdi, é o que dá, lol, temos que ser selectivos que o disco já não dá para tudo ;)

Clara said...

:)) Da idade não é, que isso nós estamos cada vez melhores.

pessoas com extremo bom gosto