5.19.2008

Um dia da caça

Há uns largos meses um blogger que conheço chamou-me a atenção para a forma aberta como eu usava o blog para terapizar os meus problemas e como, quando isso estava relacionado com terceiros, os poderia expor e magoar.
Sei que o ouvi mas que não lhe prestei grande atenção, não achava eu ser explícita de nenhuma forma e assumi sempre que os blogs são e serão inevitavelmente ferramenta de exorcismo de fantasmas, não só para mim, para todos os que neles escrevem.

Pois.

Mas agora a verdade é que, tendo agora experimentado a sensação de ficar na outra ponta, dou-lhe razão: não é fácil e não é agradável estar do outro lado, mesmo que isso não seja propriamente óbvio para ninguém, eu leio e entendo e isso basta. Também não sou obrigada a ler, é um facto.
Mas leio, calo-me e engulo, nem que seja por não ter moral para agir de outra forma. E fico à espera (não com grande confiança, verdade seja dita) que, no dia em que tudo passe, possamos passar a outra fase.

3 comments:

Anonymous said...

Olá!

Esse seu amigo é muito clarividente, ou não! A mim parece-me ser, outrossim, discreta e prevista!

JBP

Clara said...

JBP, isto já foi há muito tempo, há mais de um ano.

copiaoculta said...

É impossivel não se usar a escrita para afastar demónios que temos dentro de nós.

Para uns é mais claro do que para outros, mas acontece sempre.

Também já estive na outra ponta da navalha.

Mas continuei o meu exercício e tentei aprender também com a forma como os outros me vêm na sua necessidade de espantarem os fantasmas que neles depositei.

Dói como tudo... mas também nos outros vemos sempre um bocadinho de nós.

pessoas com extremo bom gosto