3.16.2010

the leap

diz-nos o pordata que em 2008 a taxa de divórcios se fixou em 60,4%.
60,4% significa que, a acreditar na estatística [que não deve ser lida de forma linear, porque o percentual é feito número de casamentos/dissoluções e os divórcios devem-se a todos os antigos casamentos enquanto menos gente se casa actualmente], significa que quando duas pessoas se casam têm maior probabilidade de se divorciar do que ficar casadas.

Ou como diz o meu amigo Jorge,
Alguns garantem que os maus períodos das épocas são apenas uma consequência inevitável do progresso. Mas é quando os princípios são ultrapassados pela superficialidade e fugacidade desse mesmo progresso que percebemos a urgência do dogma da estabilidade e do equilíbrio.

[e eu acrescento esse maravilhoso ditado, porque os ditados carregam sempre consigo toda a sabedoria do mundo, quem casa não pensa e quem pensa não casa].

6 comments:

Capitu said...

Antigamente as mulheres não tinham outro remédio senão ficar casadas. Não tinham fontes de rendimento. Hoje em dia, outro galo canta...

Clara said...

podemos fazer esse comparativo: em 1999 [o ano em que me casei] a taxa de divorcio é de 25,7% para uma população activa feminina de 66,1%.

em 2008 [o último para o qual há dados no pordata], a taxa de divorcio é de 60,4% para 73% de populaçao activa feminina.

Capitu said...

E mais... sempre houve, em Portugal, a tradição da família unida a todo o custo. Um certo conservadorismo que se está a perder.

Clara said...

mas também n é preciso ir tão longe. 60% é quase tornar o divórcio uma coisa fashion como iphone e uma malinha carolina herrera. [eu a dar totalmente uma de frei tomás].

Cláudia said...

Eu também casei em 1999 e sei o quanto me tem sido difícil não contribuir para o aumento desta taxa...

Clara said...

eu já contribuí.

pessoas com extremo bom gosto