4.02.2008

Porque anteontem ela fez anos

Fomos à escola com um bolinho catita do Luanda, um bolinho maravilhoso que foi literalmente devorado pelos 25 selvagens da turma da minha filha. O bolinho lindo (2Kg) custou mais ao peso do que um frasco de bom perfume e foi alarvemente tragado por 25 crianças impossíveis de aturar, malcriadas, barulhentas.

A mudança de escola de colégio de freiras para oficial tem destas coisas. Mas estas coisas são pormenores.
O que já não são pormenores são as histórias que oiço da escola.
A L. tem 8 anos e é "a mais pirosa" da turma. A L. vive com a avó que lhe bate. A mãe casou de novo e tem outros filhos que a L. mal conhece, viu uma vez. Aliás a L. mal conhece a mãe. E o pai. Foi entregue à avó por um tribunal de menores. À avó que lhe bate.

No colégio do ano passado, as freiras que acolhiam as meninas "internas" (recolhidas por um tribunal de menores e acolhidas no convento/colégio) juntavam-nas num recreio à parte, iam às aulas em escolas oficiais e comiam num refeitório à parte, só se juntavam aos meninos "externos" uma vez por ano, no Natal.

9 comments:

patrícia said...

:O

não sei qual das situaçãoes me enoja mais.
Desculpa, mas concordas com esta último parágrafo?

Clara said...

Concordo? Não tenho que concordar...

Acho que as miudas se deviam misturar, claro, era absurda aquela situação.

Cool Mum said...

Absurda, injusta, cruel.

inté

patrícia said...

eu sei que não dependia de ti, mas pensei que estavas a tentar dizer que essa exclusão era benéfica.

Clara said...

não, nem pensar. Achava muito mal mesmo. E o que me enojou uma coisa que fizeram numa festa de Natal com as internas, não voltei a ir a nenhuma por causa disso.

www.palavrademae.blogspot.com/ said...

infelismente no mundo há tantas histórias assim, é pena.

Crezia said...

Sério...? Que coisa sinistra. Eu esotu um bocadinho longe de colégios, meninos e meninas mas... dá-me a sensação... como é que hei-de por isto? Hm... achas que todos os pais tinham a mesma opinião que tu? Não sei, às vezes vejo pessoas tão cheias dos seus filhos que se esquecem do mundo em geral.
(Torcendo para que seja um "claro que sim, todos, todos!")

Kitty Fane said...

Que raio de freiras eram essas que faziam uma coisa dessas? Cruzes. :-S

corine said...

As freiras são pessoas iguais e com os mesmos principios que a maioria das pessoas com quem nos cruzamos. O que as difere dos restantes é o facto de levarem uma vida que ainda as afasta mais dos valores sociais. Ao contrário do que se poderá pensar. Não há partilha, solidariedadeo ou compreensão sem comunhão. A comunhão quer dizer muita coisa. Ás vezes é bom dedicarmos parte do nosso tempo e do nosso espírito a estas questões.

...ou deveria ser, não fora não se querer.

pessoas com extremo bom gosto