6.11.2007

Ainda o cansaço

consome-me sem tréguas, sem saciedade possível. E fico na dúvida se será cansaço se é da ponta de tristeza pela coisa.
A coisa apareceu sem se saber muito bem como, e sem se fazer sentir propriamente (como faria uma corrente de água que desce na torneira, inundando-nos). A coisa limitou-se intrometer-se nos intervalos em que me apanhou desprevenida. Sem se impor nem fazer por isso, a coisa nem sequer marcou presença no meu espírito, não enovelou os meus pensamentos, não me obrigou a pensar nela a toda a hora.
E no entanto, insidiosamente, foi preenchendo cada palavra minha, cada acto meu passou a ser torneado em função dela e para ela, sem que ela sequer se apercebesse e nem eu tomasse plena consciência disso (à maneira de uma brisa que passa e refresca sem que a notemos, sentimo-nos melhor mas nem por isso pensamos nessa leve corrente de ar que nos refrescou, ela não se forma no nosso pensamento nem ganha contornos na nossa memória).
A coisa está aqui e eu sei-a, talvez causando-me cansaço e uma ponta de tristeza, mas vai sendo expulsa em pequenos actos, em mínimos exercícios de imaginação, talvez em meia-dúzia de lágrimas que possam vir a correr.
Ou não.

15 comments:

Margarida Atheling said...

Beijinho!!

Varanda said...

coisa...



;)

said...

essa "coisa" é a mesma coisa que a "coisa" do alberto moravia, ou é outra coisa?

Clara said...

Zé, adoraria saber do que falas mas a minha cultura não dá para tanto (e nem a wikipedia me serviu). Depois explicas-me.

said...

acho que tu não queres que te explique. lê talvez o livro; são contos, é rápido. tem coisas.

Clara said...

Tem coisas? Ah agora sim, convenceste-me.
Mas como se chama o livro? Coisa?

said...

é uma coisa erótica. acho que se chama "contos eróticos",
... ou outra coisa assim

Clara said...

(e pronto, agora não posso dizer mais nada, depois vou procurar o livro).

Clara said...

ah, é que não se trata disso, Zé (é outra coisa).
Quem me compreendeu foi a Margarida.

said...

eu apenas recomendei um coiso, perdão, um conto


Beijinho!! (pode ser que me safe assim, com este copy-paste)

Margarida Atheling said...

Zé, espero que se safe com o copy past, mas olhe que há uma diferença enorme entre um "beijinho!!" e um "beijinho!!".

Num deles está lá dentro a "coisa" e todas as palavras que não precisam de ser ditas, porque há silêncios entre duas amigas que elas sabem estar cheios de significados.

No seu há uma coisa muitíssimo meritória: o esforço. Espero que seja levado em conta.
Quem sabe se não acaba por identificar a "coisa".

florbola said...

A tua "coisa" pode ser diferente da minha , ou talvez não.... a verdade é que também eu poderia ter escrito este texto.
Parabéns pois está muito bem escrito.. e descrito.

Bj.

said...

ah bom Margarida, já podia ter dito.

Margarida Atheling said...

Mas Zé, se não tinha perguntado...!

Espero que o entenda como uma achega para a compreensão da "coisa".

Boa sorte!

Clara said...

Esperem lá, mas eu não quero que mais ninguém para além da Margarida entenda a minha coisa!

pessoas com extremo bom gosto